Planejamento Financeiro para condomínios – 4 dicas para ter uma gestão impecável!

Planejamento Financeiro para condomínios

O planejamento financeiro é essencial para o sucesso de qualquer negócio, certo? Até mesmo para a sua vida pessoal! O Planejamento Financeiro para condomínios também possui essa importância, visto que um condomínio que não planeja as finanças para o dia de amanhã não está preparado para cuidar do dinheiro.

E isso é um problema! Portanto, é necessário entender o que constitui o planejamento financeiro de um condomínio e colocar as dicas em prática o mais rápido possível.

Vamos aprender?

1 – O primeiro passo – entender qual é a realidade do seu condomínio

E por realidade, leia finanças.

Portanto, você precisará levantar todas as taxas que o condomínio paga, todos os valores que são destinados a contas e outros elementos fixos, que são determinantes para o funcionamento pleno do condomínio, e que colaboram para o bem-estar dos moradores, tais como:

Olha este post que sensacional. Feito para você: Como administrar um condomínio pequeno? Os detalhes aos quais você deve se atentar!

  • Recursos como luz e água;
  • Manutenção das áreas e equipamentos comuns;
  • Contratação de serviços terceirizados.

Sim. É necessário pensar em tudo isso para garantir que o planejamento financeiro para condomínios esteja completo e tenha sua eficácia aproveitada em sua totalidade.

Quando você garante que tudo isso esteja contabilizado e ainda coloca os custos variáveis na lista, é muito improvável que o seu planejamento financeiro vá falhar. Pelo contrário, você terá uma ferramenta à prova de falhas – desde que você siga esse planejamento de forma praticamente religiosa.

2 – Mas é preciso entender as necessidades dos condôminos primeiro!

Sem isso, você dificilmente terá um norte para se guiar quando for o momento de definir quais são as despesas necessárias e aquelas que podem ser cortadas. Além disso, é sempre bom entender se os seus condôminos estão devidamente satisfeitos com os serviços que são prestados a eles, se estão aproveitando, ou se é algo que está sendo feito por fazer.

A contratação de certos profissionais, por exemplo, pode ser enquadrada como algo que deve ser avaliado. Traz bons resultados? Todos são a favor? Ou será que é um custo desnecessário, que pode ser reduzido e não precisa ser repassado para os moradores?

3 – Por fim, você precisará ficar atento à inadimplência!

Inadimplência. Essa é uma palavra que causa pânico em vários síndicos por aí, principalmente os menos experientes, e é algo que influencia diretamente na administração do condomínio e no planejamento financeiro para condomínios. Por isso, é um problema que deve ser tratado como uma possibilidade.

4 – É preciso preparar medidas que previnam e solucionem situações negativas, certo?

Portanto, conheça os perfis de cada um dos moradores e analise os possíveis riscos. É sempre bom deixar uma quantia de dinheiro considerável sobrando, pois mesmo diante da inadimplência, as contas precisam ser pagas e é necessário ter total controle sobre elas.

Construa relacionamentos duradouros e transparentes com os moradores do condomínio, a fim de incentivá-los a pagar o que devem em dia. Dessa forma, você proporciona uma comunicação mais natural e não precisa se preocupar tanto com rombos no caixa, visto que eles serão evitados.

Quer saber mais sobre planejamento financeiro para condomínio? Leia este nosso post: Planejamento Financeiro para condomínios – tudo que você precisa fazer!

Gostou das dicas? Se ainda possui dúvidas, vamos marcar uma conversa a respeito desse assunto, e eu te direi a importância da contabilidade para condomínios e te ajudarei a montar um planejamento financeiro para condomínios. Fale com a Total!

Seja diferente, inove, evolua, inscreva-se em nossa newsletter !

Sucesso e até breve.